0

Saudações da Luz Queridas Águias!

20 de Maio de 2017 – O fechamento do Portal 4D e o início da jornada numa nova dimensão em direção à 5D, 6D e 7D. A Nave Mãe Terra segue agora o seu destino galáctico e retoma o seu plano de voo original. A sua viagem pela terceira dimensão foi concluída, cumprindo assim a sua missão planetária.

Há muitos anos publiquei um chamado às Águias. Nesta época estava começando os trabalhos relacionados ao Plano Divino na Terra que futuramente se chamaria a Grande Missão.

O Voo das Águias

A partir desta época também começou um novo ciclo na minha vida do qual ainda não tinha a consciência da dimensão que toda aquela mudança acarretaria na minha existência pessoal, tanto no nível profissional, de relacionamentos e social.

Apenas sabia que tinha terminado um ciclo de intensos aprendizados, principalmente tudo o que se relacionava ao mundo umbralino. Foram 3 anos de muitos estudos, pesquisas, batalhas, combates, resgates e confrontos com os irmãos negros em todos os níveis até então conhecidos por mim.

Jamais poderia imaginar que havia apenas tocado a ponta do iceberg.

Teria que fazer inúmeros mergulhos cada vez mais profundos no decorrer dos anos seguintes, os quais desvendaram mistérios que permaneciam ocultos da maioria dos trabalhadores da Luz. Os guerreiros da Luz combatiam no âmbito do seu terreno, mas, não tinham asas.

E para mergulhar havia a necessidade de voar.

Essa missão poderia somente ser feita pelas águias. E foi por isso que essa imensa família de águias foi convocada para atuar na nova frente. O desafio seria enorme e marcado por conflitos, porque deixariam suas vidas ilusórias e teriam que voar para alturas de onde poderiam visualizar a sua verdadeira realidade de ser e depois, descobrir sua missão de vida neste planeta.

A história destas queridas águias ao longo desta jornada dentro da Grande Missão é imensa, recheada de aventuras, revelações, reencontros, e também de muitas dores, perdas, conflitos e desvios. Muitas não conseguiram ultrapassar a barreira do paradigma da negação sobre si mesmas.

Desistiram de voar e retornaram ao leito do rio.

As que conseguiram alcançar as alturas vislumbrando as linhas do horizonte enxergaram além das montanhas, e aceitaram realizar a missão do resgate planetário, no objetivo de despertar as outras águias adormecidas, que há milênios vieram em levas para este orbe terrestre executar um propósito divino.

O tempo chegou. É hora de todos nós nos reunirmos no Ninho das Águias, onde vamos delinear os próximos passos do nosso plano de voo. Sabemos de onde viemos e porque estamos aqui neste planeta. Agora é o momento de agirmos e cumprirmos o nosso Plano Divino.

Esta é a última parte da nossa jornada junto com Gaia. Atingimos o estágio final da nossa peregrinação aqui na Terra. Por centenas de milênios de anos percorremos todos os recantos deste orbe construindo e renovando a Vida, criando civilizações, impérios, culturas e tradições da Luz Divina.

Viemos para trazer a mensagem das Estrelas. Lutamos para sustentar a nossa origem estelar.

E chegamos. Chegamos até aqui após ultrapassarmos todas as etapas do nosso processo de evolução individual. Conseguimos. Não foi fácil e nem um mar de rosas. Sofremos muito, caímos muitas vezes, doeu!

Mas sabíamos mesmo que inconscientemente, que um dia a busca que tanto desejávamos encontrar seria revelada. Todas as vezes que olhávamos para o céu noturno, para as estrelas... sentíamos algo...
A sensação de pertencer às estrelas era algo imutável, estava na nossa alma. Vibrava no nosso coração.

Não tinha como negar que um chamado ressoava dentro do coração. Sempre foi muito forte. Foi intenso. Somente não entendíamos o por quê. Mas era uma certeza. Isto ninguém podia tirar de nós.

Um dia, vi que parte da nossa família estelar estava lá embaixo, perdida nas profundezas dos abismos, perambulando nas incontáveis fendas abaixo da crosta, submersos nos oceanos. Sem luz, sem noção do que fazer ou para onde ir, afundavam cada vez mais no lodo, na lama...

Perderam-se no tempo, dispersos num espaço de pura inconsciência. Séculos, milênios se passaram. Estavam esquecidos de si mesmos, de quem eram e de onde vieram. Estavam sem rumo e naufragaram. Tornaram-se os párias da humanidade, esgotando carmas, dores e sofrimentos. Nesta condição não se lembravam mais nem da condição humana que possuíam antes. Viviam de forma animalesca.

Restou apenas o instinto de sobrevivência, nada mais. Ou serviam como alimento ou como escravos naqueles subterrâneos, por um gole de água que muitas vezes nem se lembravam ‘do gosto’ após incontáveis anos sem molhar a boca, agia no desespero em troca de apenas uma gota.

Os que não cumpriam uma tarefa eram cortados a chicotes e tinham seus corpos dilacerados e espalhados pelo chão imundo, onde assistiam seus pedaços serem consumidos por criaturas rastejantes que devoravam tudo de forma voraz.

Meus olhos se enchiam de lágrimas. Via muitos destes casos ocorrendo por todo o mundo umbralino em seus diversos reinos inferiores. Reconheci muito dos meus irmãos e companheiros de longas jornadas na superfície que em suas vidas, lutaram ao meu lado, comigo e após os desencarnes, nos separamos.

A maioria destes companheiros e irmãos nunca mais vi. E nem sabia onde estavam.

E, um dia os reconheci. Reencontrei-os.

E quando decidi ir busca-los lá nas profundezas do umbral, criei o Comando Águia Dourada, que ficou conhecido como o CAD. No início em minha busca solitária, apanhei muito. Sofri muitas derrotas lá embaixo. Falhei muito. Então, a minha alma guerreira se inflamou e o CAD passou a operar nestas regiões como um comando operacional de resgate no nível profissional e militar espiritual.

Houve muitas baixas entre nós. Mas os milhões de seres, irmãos que foram trazidos para casa, fez tudo valer a pena... Todos foram conduzidos aos nossos hospitais espirituais e cada um foi curado em nas enfermarias dentro das naves.

Tudo isto desencadeou represálias, reações e ataques contra nós do CAD, mas sobrevivemos. Vencemos todas as batalhas e combates. Mesmo feridos, machucados, com danos em vários níveis e graus dos corpos sutis, retornávamos destes embates sorrindo, alegres, com centenas e milhares de irmãos em cada leva.

Dávamos muito trabalho para as equipes de enfermeiros, cientistas e médicos das enfermarias do Comando Ashtar. Quantas vezes tiveram que reconstituir partes de nossos corpos astrais? Nem me lembro mais. Quantas intervenções cirúrgicas espirituais foram feitas? Perdi a conta. Para nós, a missão cumprida era a meta e o lema.

Somos as Águias que um dia vieram a este planeta com um propósito de crescer e aprender e acima de tudo amparar e ajudar a raça humana deste orbe. Tivemos que partir da nossa Pátria Mãe e seguir o nosso destino neste Sistema Solar com uma missão específica. Evoluir. E ajudar a Humanidade terrestre a qual pertencíamos por laços ancestrais, a evoluir também.

Por isto estamos aqui.

E esta é a nossa missão.

Há um local neste orbe terrestre onde iniciamos uma das mais lindas criações no passado distante. E neste local ancoramos o nosso Ponto Focal de Luz, para num futuro distante, nos reunirmos de novo e nessa reunião, nos preparar para voltar para Casa.

O nosso ponto de reencontro chama-se Ninho das Águias, pois a Águia tem sido o nosso símbolo e a nossa marca neste orbe terrestre ao longo da sua história. Deixamos a nossa marca por onde passamos. Por onde criamos, as asas da liberdade, da fraternidade e da verdade crística foram nossos vestígios.

Inspiramos, revolucionamos, ousamos em todas as frentes. Caímos e levantamos e sempre prosseguimos a nossa marcha pela superfície deste orbe terrestre. Jamais desistimos.

A Mãe Terra agora inicia sua nova jornada em outra dimensão existencial. A vitória da Luz é incontestável. Começou a Nova Era.

E agora, queridas Águias... é a hora de voltarmos para Casa!

Antes, porém, vamos ajudar a reconstruir um novo mundo, uma nova civilização neste planeta azul.

Para isso viemos e para isso existimos!

Estamos aqui... na serra onde o azul do céu se reflete em seus contornos. É aqui que as Águias vão pousar, antes de partirmos de volta às nossas origens estelares.

Em Luz e Amor,
Gratidão profunda!
Shima.
Namastê.

A Nossa História Nesta Grande Missão:

O Renascimento das Águias

Jornada na Terra II (Umbral)

O Mistério do Lado Sombra

A Descida das Águias

A Missão das Águias

Uma Mensagem às Águias Guerreiras

Mestra Nada – Mensagem às Águias

Mensagem do Comando Ashtar

Comunidade Ninho das Águias

O Voo de uma Águia

Mensagem de Mãe Maria

Operação de Resgate Planetário

Operações do Comando Águia Dourada

O Nosso Comandante

As Águias – Missionários da Nova Era


A JORNADA DAS ÁGUIAS NA RAMPA DE ACELERAÇÃO

Leituras recomendadas nos links abaixo. São textos complementares relacionados ao tema: A Subida na Rampa de Aceleração e como todo esse processo tem influenciado a vida de cada um.

A Rampa de Aceleração – 20/05/2015

Um ano depois – A Rampa de Aceleração

A Rampa de Aceleração e o Portal 4D

Subida na Rampa – Sintomas e Sensações (I)

Subida na Rampa – Sintomas e Sensações (II)

Os Efeitos na Subida da Rampa

Subida na Rampa – As Novas Mensagens

Expurgo Planetário

O Início da Migração das Almas

Nova Era – A Missão Paz na Terra

O Novo Dilema dos Trabalhadores da Luz

A Grande Mudança na Terra

Os Despertos – Para Onde Vamos?

Os Despertos – Quem São?

A Transição Planetária Terminou

A Ascensão de um Guerreiro

Postar um comentário

 
Top