0


Enquanto o recesso do carnaval continuava, aproveitei para fazer minhas reflexões procurando fazer um balanço sobre minhas atividades rotineiras que incluem meus projetos de vida.

Não há como deixar de registrar os fatos que ocorrem comigo, pois sempre fiz isto. Esses registros ao longo do tempo tornam-se de grande importância, porque contém particularidades incríveis como as comprovações de premonições feitas por mim.

A vida surpreende... e muito!

Não posso negar isso, porque os fatos demonstram claramente como essas surpresas trazem em seu bojo uma variedade de situações inusitadas. Confesso que em sua maioria, esses acontecimentos são extremamente positivos e muitos causam mudanças profundas na minha vida pessoal.

Aprendi através dessas experiências a lidar com as consequências ocasionadas com cada guinada que surgiu na minha caminhada ao longo da vida. Esses fatos foram surpreendentes! Demais até para um simples mortal ou extremamente significativo para um homem em suas expectativas íntimas.

Tudo o que se relacionava a sonhos, ideais ou metas, deixam de ser reais e passam a ter uma conotação transcendental. Incrível mesmo como isso acontece, mas é um fato em si comprovado nos meus registros, cujas anotações contém até valores e datas, além dos eventos particulares.

Fico muito pensativo quando esses acontecimentos são frutos que foram previstos com antecedências marcantes. A reflexão vem por causa dos detalhes em que cada evento ocorre. Aí reside o meu dilema.

Sentir, ver, perceber... e ouvir!

Como se manter imune e isolado para não ser afetado nessas situações “bizarras” e “absurdas”? Como é possível evitar esses acontecimentos se não tenho o controle destes eventos previstos? Mesmo quando ignoro ou deixo de lado essas “visões” para não compactuar com suas manifestações, assim mesmo sou envolvido em suas tramas?

Sei que pensamentos atraem os pensamentos idênticos, bem como os eventos que são mantidos na mente física. Embora não sejam motivos de preocupações de minha parte - pois o meu desejo é evita-los -, acabo sempre participando de forma involuntária, o que me acarreta diversas situações de constrangimentos e decepções.

São tão inevitáveis que é praticamente impossível não sentir seus efeitos devastadores. A “dor” que sinto é apenas no que se refere a minha impotência de evita-los.

Os casos até aqui confirmados deixam um rastro de certezas incontestáveis. A incredulidade que muitas vezes teima em dominar a minha mente foi demolida por opiniões pessoais de especialistas que as circunstâncias me levaram a contatá-los de formas diversas.

Então fica aqui a impressão pessoal de que todos esses eventos surgem para um propósito determinado por forças das quais não tenho poder nenhum para evitar. A forma transcendental neste caso reflete essa atuação “externa” ou como defino em meus pensamentos: são interferências “ocultas”. Podem ser positivas ou negativas dependendo do momento e que se alternam com o passar do tempo.

Não sou “ingênuo” para não entender o que se passa na minha vida.

Reconheço que não sou um homem perfeito. Se assim fosse não teria a necessidade de estar neste mundo terreno. Sou apenas uma alma que busca na felicidade de “ser”, a forma de viver uma vida de realidades conflituosas existentes neste plano físico. Este sim é um grande aprendizado!

Encontrar a forma correta de viver é um compromisso de toda alma humana, pois este é o propósito divino da Criação. Reconheço com plena lucidez que não tenho sido um “homem ideal” durante a minha existência atual, mas tenho procurado ser uma pessoa calma, equilibrada e amorosa em todos os momentos de crise que se abateu sobre a minha cabeça.

Mas as circunstâncias surrealistas que muitas vezes tenho denominado de “bizarras” e “absurdas” voltam a ocorrer sempre diante dos meus olhos. Isto desencadeia uma série de reações da minha parte. Não há como evitar que estas situações ocorram. É fato. Convivo com isto há décadas, por esta razão é tempo suficiente para conhecer as causas que ocasionam estes eventos desagradáveis e destrutivos.

No começo – na infância -, foi difícil lidar com isso. O conflito existencial foi um dos primeiros trabalhos que tive que desenvolver ao longo de uma existência complicada. Nunca entendia o porquê de tudo isso ocorrer com uma frequência “maluca” em que mal dava tempo para respirar e se recuperar.

Com o tempo fui aprendendo a controlar os motivos “aparentes” que desencadeavam estas situações. A causa só foi possível compreender na minha juventude, quando tive a oportunidade de conhecer pessoas e instituições que trabalhavam nesta área.

Estes grupos – espíritas e esotéricas – preencheram o meu mundo pessoal de conhecimentos imprescindíveis para a minha caminhada espiritual. Por décadas fui um observador e aluno persistente em desvendar estes “mistérios ocultos” que tanta influência exercia no mundo.

E não só vivenciei estas experiências como um aprendiz, mas também como “alvo” constante destes ataques e interferências desferidos por entidades de magias maléficas, que mais tarde fiquei sabendo que pertenciam à fraternidade negra, compostas por seres desviados – os “anjos caídos” – e que são mencionados nas Escrituras Sagradas.

E porquê a minha vida é conflituosa?

Simplesmente porque sou um ser consciente com plena lucidez de uma condição humana e espiritual inerente à uma alma em sua peregrinação pelos mundos inferiores do plano de manifestação física.

E isso não seria normal?

Isso não impede de seguir uma vida dentro dos padrões da convenção social, mas ocasiona a situação constrangedora de expor a “grande mentira” que as pessoas e o mundo vivem em seu cotidiano. Então esta relação com as pessoas desencadeia uma reação agressiva e violenta, pois o medo predomina nas mentes conscientes e inconscientes das pessoas.

É aqui que está o meu “problema” pessoal... e também, o meu dilema!

A de viver e me relacionar com as pessoas dentro de um quarto escuro.

Somente o fato de carregar uma vela acesa já é o bastante para receber críticas e levar pedradas, pois a presença ou existência de um trabalhador da Luz já causa certo transtorno na vida das pessoas, tanto faz se de forma positiva ou negativa.

Então, é só imaginar quando duas pessoas começam a carregar suas velas acesas!

Os seres que mantém o domínio deste quarto escuro não vão permitir a permanência e nem o fato de haver mais pessoas carregando velas acesas em “seus domínios”. Vão atacar mesmo e se possível, eliminar a “ameaça” que sente de perder o controle que ainda tem na penumbra do quarto.

É isto que vem ocorrendo com os trabalhadores da Luz. Estão sendo alvos destes ataques, justamente porque estão carregando suas velas acesas.

Se antes o quarto era escuro, úmido e frio, era também considerado o ambiente “natural” de todos que permaneciam neste lugar. Formaram-se vários hábitos. Um deles tornou-se o mais comum de todos. A de ouvir alguém “sussurrando” nos ouvidos, induzindo ao erro e à baixa vibração, assunto que conhecemos e dominamos por completo. Chamo a isso de “microfone aberto”.

Muitos de nós, éramos uma destas pessoas que seguravam a vela acesa. O caso de haver poucos ataques que mereçam destaques, deve-se justamente porque uma vela dispersa não causa muito dano ou não tem muita influência num quarto imenso, quando se pode assoprar e apagar a chama.

Agora imagina só quando este trabalhador da Luz tem consciência e sabe como acender, mantiver e proteger sua chama e a de outros?!!

É um pandemônio no mundo das trevas.

Se falar sobre dois trabalhadores da Luz (em alguns casos, de complementos divinos), ligados numa mesma missão, a vida vira um “inferno”, pois essa dupla torna-se um “perigo mortal” para nossos irmãos negros.

Como assim?

Explico isso de forma simples. Um trabalhador da Luz carrega uma vela que às vezes apaga com um sopro.

Dois trabalhadores da Luz com os pólos positivo e negativo são autossuficientes e conseguem criar uma nova forma de Luz. Em vez de velas, são lâmpadas.

E no caso de dois complementos divinos, a realidade é outra. Juntos tornam-se um sol.

Aí, vem a grande confusão. A “fraternidade negra” declara guerra total!

Porquê?

Porque aquele quarto escuro úmido e frio se transforma totalmente na presença de dois seres divinos, principalmente se forem complementos.

O ambiente se ilumina e a ignorância desvanece. A verdade surge. A umidade seca e, a doença deixa de existir. O calor aquece o corpo, o coração e a alma. O medo deixa de influenciar as pessoas.

No ponto anterior, um trabalhador da Luz não tinha este alcance e potencial. Cada um é apenas mais um! Dificilmente haverá um alcance global, a nível mundial. Dois complementos divinos conseguem em plena harmonia, irradiar o mundo inteiro! Os complementos divinos têm a tarefa de avançar pelo mundo e influenciar as pessoas apenas de si mesmos de forma espontânea, e plenamente conscientes.

Os que vão tentar impedir esta missão estão pelo globo inteiro. E fica fácil para esses seres trevosos identificar o “alvo” que querem eliminar. Então do mundo inteiro, de todos os recantos do planeta, descem numa avalanche na direção onde vivem estes “dois problemas” para eles.

É assim que dois alicerces da Luz são destruídos neste planeta. Não resistem aos constantes ataques que são fulminantes e surgem de todos os lados, a todo instante. Por isso, as baixas nas fileiras da Luz ocorrem com tanta frequência e tanta rapidez.

Para evitar que a Luz brilhe e fique acessa, os portadores iluminados são atacados por:

- “bombardeios energéticos” pesados e densos que diminuem o patamar de vibração;

- criam imagens distorcidas da realidade aparente – efeito espelho – e que desencadeia grandes conflitos interiores e geram discussões e brigas entre essas pessoas;

- além disso, interferem no meio ambiente, nas relações interpessoais, inclusive ocasionando “acidentes” considerados “casuais” e aceitos pela sociedade como desfechos normais;

- fazem implantes energéticos com alguns “chips” instalados nos corpos sutis;

- atuam a partir do plano astral e plasmam imagens de pessoas e cenas para influenciar negativamente todos aqueles que podem manipular;

- enfim, geram situações, eventos, doenças, circunstâncias e crises, que muitas vezes são “inexplicáveis” pela ciência médica e até para os especialistas de plantão. As brechas que existem ou surgem durante estes ataques e interferências são reais e perigosos.

Estas “brechas” são consequências de eventos criados ao longo de nossa jornada terrena e podem ter origens nesta ou em outras vidas regressas. Foram intencionais e com objetivos expressos de causarem danos psicológicos, mentais, emocionais e físicos nos corpos de uma alma humana. A intenção é a de poder manipular essas pessoas, quando for necessário para os irmãos das trevas.

A interferência mais evidente tem sido a que causa uma espécie de “distração”. Uma forma de “acomodação” que advém da tática de dar um tempo de folga nestes ataques, quando eles criam uma nova situação que possa causar uma devastação geral numa relação.

Isso tem sido repetitivo em muitos casos observados.

Nesta situação não há relação a dois que resista a estes ataques. São fulminantes! O lado mais fraco da corda, sempre arrebenta.

Há também um caso particular onde está envolvido a atuação de duas forças poderosas. A da Luz através da Hierarquia Espiritual e a da Fraternidade Negra. É um caso especial e único pela própria missão onde dois seres – complementos divinos – estão envolvidos pessoalmente. Por isso, a potência dos ataques é doloroso, inescrupuloso, maldoso e sem compaixão.

A questão de saber fechar as brechas é de fundamental importância na proteção de uma relação, que são abertas a todo instante. Os danos que são causados por essas “brechas” só podem ser curados através do Amor. Não há outro remédio.

Da mesma forma que os ataques são repetitivos, devem também praticar a repetição do “remédio”:

- Eu te amo! – é a palavra mágica.

- O beijo – é a poção da cura.

- O abraço – é a segurança da união.

- O sorriso e a alegria – é irradiação da alma que afasta toda a escuridão.

- O olhar amoroso – é a mensagem da cumplicidade e da lealdade entre guerreiros.

Portanto meus amados Corações de Luz acreditem no Amor em qualquer das circunstâncias que se abatam sobre suas vidas, pois se aceitarem que amor nenhum, por mais intenso e puro que possa ser, resiste às feridas que são abertas e que sangram “velhas” dores, então entrarão no círculo vicioso do sofrimento.

É este o objetivo central dos ataques que muitos trabalhadores da Luz recebem. Os nossos irmãos das trevas conhecem as nossas dores, pois foram criados por eles mesmos com o nosso “consentimento” involuntário.

Com amor, tolerância, respeito e compreensão são possível se manter no caminho do discernimento e a paciência – dar tempo ao tempo – é uma atitude a ser cultivada a cada momento. Sendo assim, o bom senso prevalece e o equilíbrio numa relação é estabelecido de forma suave e amorosa.

Os alertas sobre a atuação das trevas, tem apenas este propósito: mostrar a impiedade e a falta de escrúpulos deles e, até a inexistência do sentimento de compaixão nos atos e atitudes que são provocados por eles.

A prática da dor e do sofrimento é um método bem eficaz aplicado nas pessoas incautas e despreparado para enfrenta-los. Por causa disto, a Fraternidade Negra ainda mantém um “domínio” aparente na humanidade. Mesmo que seja temporário, o dano causado é grande e proporcional à resposta que essas pessoas vibram em sintonia com as energias nefastas que são irradiadas por essas forças negativas.

Não é ignorando que se evita os efeitos destes ataques,  mas o conhecimento que se tem da atuação negativa em todos os meios da convivência e relacionamento humanos.

Sejam o Amor!
Shima.

Postar um comentário

 
Top