0
PAUSA PARA REFLEXÃO - A DOIS




- O que se passas meu querido?


- Estou confuso meu Senhor!


- E como é isso?


- Tento entender o sentido de amar!


- Diga-me: o que é amar para ti?


Um silêncio ecoa no ar... meus pensamentos viajam num turbilhão de sensações.


Recordações... imagens... vivências. Cenas... movimentos... dramas... traumas...


Alegrias se intercalam nas tristezas. Sorrisos misturam-se em lágrimas...


Sim. Amar é viver. Viver é vibrar Amor!


A compreensão é fruto do Amor. Amor é essência.


- Como sentes uma relação a dois? - foi o que ouvi.


Deixo-me levar pela onda amorosa do meu querido Mestre...

"... a relação a dois, deve ser vista como duas árvores que brotam numa floresta... nascem juntas... mas separadas... suas sombras acalentam uma e outra... e mesmo imersa nesta imensa floresta, banham-se ao sol.

Uma relação a dois é formada por dois indivíduos que juntos formam um casal.


Os afins não é o mesmo que igual. São energias que vibram diferentes, pois se atraem pela força do amor e unem-se em polaridades opostas. Sem isso não há o caminho a percorrer... juntos.


Querer que sejam iguais não há aprendizados e nisso, não há crescimento. Sem esse crescimento, a maturidade não é alcançada.


Assimilar o oposto e compreender o significado disto é sabedoria.


Aceitar a diversidade é reencontrar a unicidade. A vida.


Deixar fluir a vida é criar o ambiente para que as sementes germinem amorosamente. Isso é semear. A paciência é um ato de compreensão.


O que mantém a unidade numa relação a dois é a promessa: doar e amar.


E juntos... servir! Um ao outro.


Nesse aprendizado, aprendem a servir ao mundo!


Um casal exemplifica o Alfa e Ômega. O divino na forma. A expressão sublime do Amor.


Trazer a radiante luz ao mundo é iluminar a sombra. Irradiar o coração em luz é amor. O amor terreno é filiação divina do Amor infinito. Então, amar é divino.


Discernir entre o terreno e o divino é o dilema, é o paradigma.

Viver o terreno é encobrir com sombra a luz. Vivenciar o divino na sombra é iluminar.

O medo separa, o amor une.


Na compreensão disso, colhe-se a felicidade.


No desejo a vontade é suprimida. A vontade da alma.


E a alma anseia pela alegria a dois, pois assim expande a consciência na dualidade. E no sorriso a dois, a paz tão almejada pode ser reencontrada no coração.


Qual a importância de uma pequena mancha escura na eternidade da luz?


Assim deve ser a relação a dois... no perdão mútuo. Ser cúmplices no amor é amar a diferença. É compreender que são únicos pelas diferenças que são. E que a força que une no amor é inigualável e incomparável dentro da criação universal.


No crescimento há expansão. No amadurecimento reconhece-se o aprendizado. A prática deste conhecimento, vive-se em sabedoria como deusas e deuses que sempre foram, são e serão.


Um casal é a soma que unifica duas forças antagônicas em si mesmo. O poder e a luz da energia cósmica potencializa o amor que deve conduzir dois corações em sua jornada pela criação.


O que separa e fragmenta é efeito da dualidade. É da sombra.

O que une e unifica é o efeito da unidade. É da luz.

Entender o significado do Dois é compreender o Uno do universo. É co-criar.


Por isso, duas almas opostas devem percorrer o caminho na escuridão, mantendo apenas a chama do amor que os manterá unidos na longa jornada. Assim permanecerá na senda iluminada para fazer o percurso de ida e vinda. Um dia retornará ao lar.


Compreensão e Amor é tudo. É o significado e o sentido do Todo. Assim se manifesta a Vida.


Dois em Um com a Força do Amor é a expressão Trina da Vontade Divina.


Seja Amor. Isto basta!"


- Gratidão meu Senhor!


Paz eterna,
Shima.

Postar um comentário

 
Top