0

MAIS UM ANJO DE LUZ PARA O MUNDO
Momento mágico com o meu netinho

Bom dia queridas águias!!!
É com muita alegria que ontem fui conhecer pessoalmente o pequeno Cauan Yuji, meu netinho que chegou ao mundo há 7 dias. Foi também um momento mágico vê-lo pela primeira vez.
É o sétimo dos meus netos que agora se integra à família composta de 4 filhos e 3 genros e 1 nora.

Além deles, soma-se a minha esposa Renata.

Qual seria então a minha intensa alegria e profunda emoção?

A sensação de ser avô pela sétima vez. O número “7” é cabalístico e simboliza no meu caso o cumprimento dos 7 ciclos da evolução que regem o nosso Sistema Solar. E nessa reflexão veio à minha mente a história dessa família, cuja ancestralidade completa a 16ª geração, onde uma ramificação da árvore genealógica se uniu à outra dando origem a esta família atual que está na sua 5ª geração.

A minha família pertence a um grande clã que se origina da ilha de Okinawa, que atualmente é uma província japonesa. Esta ilha já foi um reino independente até ser ocupada militarmente há cerca de 3 séculos pelo Japão. E hoje, a maioria dos descendentes deste clã estão vivendo no Brasil. E foi também na ilha de Okinawa que desencarnei na última vida passada durante a segunda grande guerra.

Falar sobre clãs em qualquer parte do mundo é um tema profundo e de grande curiosidade, pois o conhecimento sobre os nossos antepassados esclarece muitos dos problemas e conflitos familiares existentes na atualidade. Principalmente quando desvendamos os laços cármicos que une todos os seus membros ao longo da jornada terrena.

A prosperidade, saúde e felicidade de uma família tem suas raízes ancoradas em nossos antepassados. Em muitas crenças, religiões e filosofias valorizam o culto aos antepassados justamente por terem este conhecimento, que inclusive, é muito narrado nas escrituras sagradas.

Até dentro da GM onde instituímos a Grande Família da Luz será promovido em breve um curso sobre Constelações Familiares para criar uma nova consciência sobre as nossas relações originadas em diversas vidas passadas e que se refletem na vida individual, familiar e de relacionamentos interpessoais nos dias de hoje.

Então, voltando ao ponto sobre os clãs é de suma importância a compreensão espiritual sobre esse assunto. Em muitos casos, ocorre o rompimento em algum ponto da descendência e toda a geração futura fica comprometida com suas consequências e efeitos. Neste caso, a linhagem cessa.

E o que ocorre se uma linhagem cessa?

Outras almas desgarrantes ou de outras linhagens perdidas passam a ocupar os espaços deixados pelos antepassados e a egrégora familiar original deixa de existir definitivamente. Com isso, cada encarnação numa família será feita com seres que nada tem a ver com a evolução familiar programada por estes antepassados e aí, a proteção deste grupo espiritual cessa também.

Como ocorre o rompimento entre os descendentes e os antepassados?

Além das ligações familiares de um casal que une duas vertentes ou correntes de gerações passadas, há que ter a noção da estrutura básica que sustenta todas as linhagens que está alicerçada na “cabeça” do ramo da árvore genealógica, ou seja, sempre através do filho mais velho, pois há uma sequência de quatro em quatro gerações que une o avô, o pai, o filho e o neto. Após isso, inicia-se outra ramificação geracional, mas sempre seguindo a proporção de 4 gerações subsequentes.

Um avô sempre abre uma nova ramificação, o filho deste dará sequência como pai na segunda geração, e o filho/neto formará a terceira cadeia da corrente, sendo o neto do “cabeça” da ramificação, que nessa condição ao gerar um filho, concluirá o 4º elo da estrutura familiar. Assim é formado as 4 gerações num ciclo familiar.

Então quando o avô desencarna, a sucessão segue através do pai e se este também vier a falecer, o filho mais velho prossegue a linhagem e assim sucessivamente. Por isso na tradição cultural/espiritual do oriente o ritual dos antepassados é preservado até os dias atuais.

É importante salientar a rigorosa disciplina que deve ser considerada na observância da hierarquia espiritual relacionada à estrutura familiar em nosso planeta através das linhagens dos antepassados. Pois a carga energética que inclui o carma está contida nesta cadeia evolucionária humana na Terra. Se essa hierarquia for quebrada, gera em consequência a interrupção da ação dos antepassados na questão da proteção, amparo, instrução e orientação aos membros descendentes.

Outra forma muito comum no rompimento desta cadeia genealógica é a usurpação do “status” que uma “cabeça” familiar ocupa dentro da descendência e passa a ser ocupada por outro descendente que não está na linhagem ou mesmo, quando um membro de uma família assume essa condição no lugar do legítimo ocupante da função. E torna-se mais grave quando o legítimo ocupante está encarnado.

A gravidade se aprofunda se o legítimo “cabeça” for isolado da família e colocado na marginalidade por qualquer razão ou motivo. Um clã deve respeitar e honrar os antepassados através do legítimo ocupante da árvore genealógica que é reconhecida no plano espiritual junto ao Tribunal do Conselho Cármico. Somente no reconhecimento desta legitimidade, pode toda a descendência receber as bênção sagradas da Ordem Divina, se cumpridas os preceitos familiares que norteiam a formação, crescimento, evolução e cumprimento do plano divino de uma família terrestre.

Os casos de desvios na condução ou até na conduta do “cabeça” é parte do plano espiritual dos antepassados, pois esta linhagem precisa ser purificada e sempre será através do “cabeça” do clã. Outra forma de interrupção será no nascimento do “herdeiro”. A descendência será abortada quando os filhos (homens) deixarem de renascer na família do cabeça do clã.

No caso do sucessor, se vier uma filha... ou um filho homossexual, significa que a ação dos antepassados se faz e deve servir de alerta para todo o clã. Pois nestes casos, a sucessão se dará por outros canais, e pode ser então escolhida um dos descendentes da mesma linhagem, ou seja, uma filha mais velha na linhagem do clã e da mesma ordem de sucessão poderá ancorar o próximo “cabeça” do clã.

Neste caso, inicia-se também um novo ciclo nas descendências e ramificações da árvore genealógica. E assim, perpetuar-se-á o plano divino dos antepassados em sua evolução humana terrestre. Nesta transição planetária atual, está muito em evidência o quadro das mudanças onde uma nova constituição familiar está se formando por ação dos próprios antepassados do clã onde essa transformação é necessária para se adequar ao novo mundo.

Um caso interessante também ocorre quando o “cabeça” de um clã que foi alijado da condução da família onde renasceu e cria o seu núcleo familiar onde a sucessão ocorrerá, a partir da sua conscientização e conhecimento, consegue promover o cumprimento original de manter a descendência do clã. Somente este “cabeça” de clã, com sua consciência desperta é capaz de alterar os destinos de toda a linhagem, o que é permitido pela hierarquia dos antepassados, ao instituir a formação de uma nova linhagem de descendentes a partir da sua própria escolha em benefício de todo o plano divino da família que dará sequência ao clã em sua nova etapa evolutiva.

No oriente o “cabeça” de um clã é chamado de “Chonan” que significa, o “mais velho” ou o “irmão mais velho” da família que carrega a sucessão natural da linhagem dos antepassados.

Um clã é considerado formado a partir do “avô” encarnado. Somente na condição de já possuir netos é que pode reiniciar um novo ciclo familiar. Então, toda a descendência a partir deste único “avô” até a quarta geração, é considerado um “clã”, que inclui todas as famílias que foram geradas por seus filhos. Os bisnetos (4ª geração) fecham um ciclo e reiniciam outra.

Quando ocorrer que o “cabeça” de um clã inicia uma nova linhagem através de um novo casamento, significa que cumpriu o plano original dos antepassados e foi liberado para cumprir agora o seu plano divino pessoal e espiritual na formação de outro clã, que deverá ter a missão também espiritual de manifestar no mundo o propósito divino do Pai Criador.

Lembrando que até que isso venha a ocorrer, poderá acontecer que o “cabeça” de um clã, deverá resgatar também todas as suas “dívidas cármicas” ou encerrar os “contratos cármicos” de vidas passadas, o que acontece através de vários vínculos amorosos onde um núcleo é estabelecido e logo em seguida, se rompe o matrimônio ou vida conjugal. Isso significa que o “cabeça” de um clã, honrou toda a linhagem dos antepassados originais e suas ramificações.

Pois os contratos assinados ou assumidos no plano terreno tem a mesma validade no plano espiritual. Um dia, terá que cumprir a finalidade de cada um destes contratos, na vida presente, nesta ou em outra futura. Por isso, iniciaremos os estudos sobre as “Constelações Familiares” para esse propósito de esclarecimento e como criar o equilíbrio entre os membros da família de um mesmo clã e seus envolvimentos na malha cármica com outros clãs familiares.

HONRAR PAI E MÃE

Este quarto mandamento está sendo incluído nesta nova etapa da GM pois muitas revelações advirão dos estudos e esclarecimentos sobre a verdade oculta nesta Ordem Divina. A Vontade do Pai se realiza na Manifestação da Mãe Divina. Aqui jaz todo o segredo da Criação Universal.

Assim será na realização do Plano Divino.

Por isso hoje, as revelações sobre a Mãe Divina está sendo tão difundido e se propaga como uma Força poderosa pelo mundo inteiro. O Amor Divino é uma expressão da Mãe e a Vontade do Pai (Plano Divino) somente poderá ser precipitado na Terra se o Amor da Mãe Divina for aceita e praticada por todos os filhos e filhas da Luz.

Uma das facetas desta Força da Mãe é manifestada na energia contida naquilo que conhecemos como a “Opinião Pública”, uma egrégora criada pela humanidade que reflete a Força que varre o planeta atualmente. Se for entendida em sua verdadeira origem e causa, muito poderá ser colhido no mundo no que se refere à realidade do novo mundo que desponta no horizonte.

A Verdade Crística, a Beleza da Criação e a Bondade que brota do Sagrado Coração, são atributos da Mãe Divina.

Por isso, o chamado às Deusas Sacerdotisas é feita pela Mãe Divina neste momento da Transição Planetária, onde a Grande Colheita se faz através do Expurgo no planeta inteiro. É preciso a ação direta das Sacerdotisas da Grande Mãe para que a humanidade possa fazer a sua ascensão de forma pacífica, senão, teremos que passar pelo caminho das dores e sofrimentos que é um efeito do próprio expurgo que ocorre de forma individual, familiar, grupal, coletivo ou social.

Para se atingir e alcançar as virtudes da Mãe Divina, é necessário a purificação interna, para que as portas sejam abertas a todos os anjos estelares que escolherem o caminho da ascensão planetária.

O despertar de Gaia ocorrido estes dias ocasionará a maior transformação planetária, galáctica e universal jamais prevista por qualquer ser nesta ou noutras dimensões, inferiores ou elevadas!

A Lei da Ordem Divina que rege todos os Superuniversos, também rege a evolução humana neste planeta, e inclui todas as linhagens familiares, pois cada uma delas tem a suas conexões com as próprias Mônadas, onde cada família humana está ligada diretamente. É isso que os nossos guias espirituais buscam manter nas tradições antigas e milenares através do Ritual dos Antepassados. O respeito à hierarquia familiar é o alicerce da Grande Família da Luz.

Em Amor e Luz,
Paz em Cristo!
Shima.
Namastê.

Gratidão ao Pai e a Mãe!

Postar um comentário

 
Top