0


Na manhã desta sexta-feira, dia 19/10, senti-me muito estranho como se estivesse deslocado do ambiente em que estava naquele momento. Amanheci como se estivesse num outro planeta, com tudo fora do contexto. Comecei a refletir sobre isto, e então começaram a surgir flashes na minha mente. Imediatamente afastei estas imagens, pois tinha vários compromissos durante o dia e não queria ficar pensando no que tinha ocorrido.

Sabia apenas que a noite havia sido intensa e de muitos trabalhos. Da mesma forma como ocorreu na véspera da abertura do Portal da Deusa Gaia, aconteceu novamente. Só que desta vez, foi bem diferente... especial mesmo! Quando isto ocorre na minha vida, eu procuro relaxar e deixar fluir com a certeza de que nesta noite haveria alguma surpresa com abertura do segundo Portal de Luz... o Brisa Sublime... um lindo e significativo nome. Então tudo se confirmaria.

Na semana passada, durante a conversa rotineira com minha parceira de trabalho, comentei alguns eventos que costumam anteceder a uma abertura de Portal de Luz. São trabalhos de resgates de seres em algum ponto da Terra. Estava neste ponto da conversa, quando um chamado se fez. Então imediatamente fui até ela.

- Já entrou numa nave? – perguntei.

- Bem que eu queria. Mas, não tenho consciência de nenhuma experiência de estar numa nave!

- Ok. Estou aqui em cima da sua casa. Suba e veja.

Mesmo surpresa, ela entrou enquanto lhe indicava a poltrona onde ela deveria se sentar. A do comando da nave.

- Vá até aquela poltrona do lado direito e sinta-se em casa. Na ponta dos braços do assento tem uma empunhadura e coloque suas mãos na abertura, como se fossem usar luvas. Os seus dedos vão se encaixar perfeitamente e vai sentir que suas palmas das mãos estão apoiadas em algo muito parecido como se fosse um “mouse”. Isto tudo funciona como terminais de comando da nave. É tudo mental.

- E agora?

- Observe a tela diante de você. É o nosso plano de voo. É para onde vamos. – respondi-lhe enquanto olhava para um monitor. – Humm... temos que atravessar o Atlântico. Vamos para a América Central.

Instantaneamente, ela manobrou a nave e fomos para o leste. Enquanto cruzamos o oceano escuro fiquei observando-a. Impressionante como é a consciência física da astral e esta, do mental. A minha parceira naquela operação que fomos chamados, agia com segurança e a firmeza de um comandante. Conhecia a nave e a pilotava como uma veterana. Não precisei instruir sobre nada. Ela sabia o que fazer.

Em pouco tempo estávamos sobrevoando o Golfo do México.

- Agora direcione a nave para o sul e mergulhe! Vamos para o fundo do mar... é lá o nosso local de trabalho.

(...)

- Há uma fenda lá embaixo.. um abismo. Entre lá! Desça o máximo que puder... está lá no fundo o que viemos buscar! – orientei a minha parceira. Rapidamente ela virou a nave de lado e mergulhamos numa diagonal até o ponto que piscava na tela diante de nós.

Assim que a nave estacionou, um grupo de seres desce imediatamente e começam a recolher incontáveis tonéis radioativos que foram jogados ali. Enquanto isso, outro grupo se desloca pelas bordas dos precipícios e, nisso vejo as outras naves se posicionando em diversos locais ao longo das fendas que se parecem com verdadeiros “cânions”. São do grupo de resgates.

- Há seres perdidos aqui embaixo! – comentei com a minha comandante.

- Humm...

Pouco tempo depois terminamos a nossa tarefa e recebemos a orientação de partir. Ao sair para a superfície, percebi que havia muitas naves-laboratórios espalhadas em todas as direções. Voltamos a cruzar o Atlântico.

- Você não vai entrar? – perguntou a minha parceira assim que estacionou a nave sobre a sua casa.

- Agora não minha querida. Tenho um encontro com o nosso Comandante. Estou indo para lá. Depois nos encontramos, temos um evento hoje, certo?

À noite na abertura do Portal da Deusa Gaia, foi que compreendi todos estes acontecimentos.

Voltando ao ponto da abertura do segundo Portal, o Brisa Sublime, houve o fato de nós dois sentirmos muita estranheza com os nossos corpos físicos durante o dia inteiro e comentamos isso quando nos encontramos para os preparativos que ocorreria naquela noite.

- Cheguei. Se havia empecilhos foi hoje... logo hoje. Estou atrasada uma hora! – disse ela assim que nos encontramos.

- Seja bem vinda... não se preocupe está tudo bem.

- Continuo estranha!

- Eu sei.

- Hoje, eu estive longe... no serviço...

- Está melhor agora?

- Sim... foi só emoção... contemplação é o termo certo... não estava ali... estava em outro sitio, mas não sei onde... e também não sei porque hoje o meu braço doeu demais... parece que andei a trabalhar muito de noite!

- Fizemos isso também... trabalhamos no astral a noite toda. Hoje a tarde estive com mestre Nada... conversamos muito!

- Hummmm.... o que disse Ela? Falaram de mim?

- Sim. Depois conversamos sobre isto e do que Ela revelou. Agora, vamos cuidar da abertura do Portal, ok?

- Está bem. Eu só cheguei agora... não sei mais o que fazer!

- Relaxa. Está tudo sob controle... fazemos tudo em parceria, já cuidei de uns detalhes da cerimônia do Portal de hoje, viu?

- Ainda não vi...

- Hoje, faremos a abertura do Portal de forma diferente... depois te falo.

- Ok. Estou estranha... só isso. O que vamos fazer agora?

- É assim mesmo... essa estranheza é que você precisa trabalhar, porque se você olhar através da tela mental, vai perceber que passou o dia lá na serra... e neste instante você já está lá.. estamos lá, auxiliando...

No horário marcado lá estávamos nós dois diante da serra assumindo a postura geométrica para acionar a abertura.

Ao observar a minha parceira percebi logo que naquela noite algo diferente ia mesmo ocorrer. Uma luz opaca começou a iluminar a fronte dela. E aos poucos esta luz começou a nos iluminar de uma forma linda. Contrastando com o acontecido no Portal anterior, um imenso tubo de Luz começou a descer do céu noturno e foi nos envolvendo inteiramente, até que nos sentimos dentro de um poderoso vórtice de energia.

- Olhe para cima e veja – disse-lhe.

- Sim. Estou vendo.

Pelo tubo começaram a descer seres radiantes, alados, seres iluminados... todos irradiando uma luz branca...

Os primeiros foram enfileirando-se ao longo do caminho de tapete de luz diante deste novo Portal, formando duas filas. Em seguida nos postamos de lado, cada um ficando de frente para o outro sob a cachoeira de Luz que descia do tubo, que agora mais parecia um túnel infinito.

De repente ao longe começaram a chegar seres incríveis que iam subindo pelo tapete de Luz, acompanhados por seus guias...

- Querida... – sussurrei.

Ela virou-se.

Não eram seres humanos. Eram emanações de vida... eram almas-grupais que vinham na direção do Portal.

Conforme eles passavam, percebi que a maioria era do reino animal.. que estavam deixando o nosso planeta... do grupo de animais em extinção... terminaram suas missões aqui... não encarnavam mais há muito tempo... e agora, estavam indo embora, guiados por seus guardiões...

Eram emanações de vida de toda a natureza, aquáticas, aéreas, subterrâneas, das matas e selvas... dos rios e mares... dos céus... das profundezas da terra... e, maravilhado com esta procissão, contemplei um dos mais lindos espetáculos da misericórdia divina e a compaixão por estes seres, que em muitas situações foram trucidados e torturados pelos seres do reino humano.

Neste momento, as lembranças vieram à minha mente... da conversa anterior com a minha parceira, sobre um trabalho que tínhamos feito durante a noite anterior...

Literalmente, “invadimos” vários territórios fortemente protegidos, onde se encontravam aprisionados estas formas de vida, após terem tidos os seus corpos mutilados para saciar a fome dos humanos por todo o planeta. E participamos dos resgates destas emanações... destas centelhas divinas!

Uma emoção profunda aflorou no meu coração. Uma gratidão imensa em poder retribuir a essas emanações de vida, o cumprimento do propósito da maioria delas em servir na cadeia alimentar no nosso planeta.

Outros seres que vieram de seus planetas e planos interdimensionais para sustentar as energias necessárias para manter o equilíbrio da vida na Terra recebiam daquelas fileiras de seres iluminados ao longo do tapete de Luz, todas as honras que eram merecedoras pelo serviço prestado ao Criador.

Por mais um tempo, permanecemos postados em reverência a todos esses seres de Luz, enquanto iam subindo pelo imenso tubo... naquele infinito túnel coberto de estrelas cintilantes...

Antes de voltar... voltei meu último olhar para o Portal... que na leveza... na serenidade.. daquele momento, eu compreendi.

- Sim, eles vão... como uma brisa... sublime!

Paz em todos os corações!


Shima& Céliah

Postar um comentário

 
Top