0



Projeção Astral - 1ª Parte
Projeção Astral - 2ª Parte
Projeção Astral - 4ª Parte
Projeção Astral - 5ª Parte

Falar sobre a projeção astral - assunto abordado na projeciologia - é um tema fascinante. Acredito sinceramente que esta técnica promove um grande avanço no campo da espiritualidade, principalmente porque há uma espécie de impacto no projetor, cujo choque o faz acordar para uma nova realidade e, queira ou não acaba rompendo um dos grandes "nós", que impede uma pessoa de se libertar da prisão do corpo carnal. O medo latente no inconsciente do ser humano é um fato. Ninguém duvida disso.


Agora, quando o projetor se vê num outro corpo - o astral - que é o que ele vai prosseguir em sua caminhada após o desencarne, fica sabendo na "própria pele", o que é a ilusão da morte física. Depois dessa experiência perde de vez o medo de "morrer". Não necessita mais de doutrinas para orientar a sua jornada terrena, porque quebrou um paradigma que o impedia de compreender o propósito da sua vida neste mundo.


Com esse conhecimento um projetor sério e dedicado deixa de focar totalmente a sua vida no plano material e entra também para o mundo espiritual, onde aprende uma nova forma de conduzir a vida e, como se manifestar de forma correta, tanto em pensamentos, em sentimentos e, em suas atitudes diárias.


A convivência e as suas relações com as pessoas e o ambiente em que vive, sofre uma transformação diante daquilo que era considerado um "padrão" de vida cheio de regras e normas. A compreensão sobre si mesmo começa a brotar, levando-o para uma vida baseada no discernimento correto, focado numa nova realidade de ser.


Como mencionei num artigo anterior, vivemos num mundo de terceira dimensão física. E isto engloba na verdade quatro planos existenciais e, cada um desses planos se subdivide em vários níveis - espécies de camadas -, cujas frequências e vibrações foram criadas pelo próprio ser humano, em suas diversas encarnações terrenas. Então são criações humanas.


No projeto original havia apenas sete camadas em cada plano, mas a humanidade como um todo contribuiu nas criações posteriores. Até onde pude observar por minhas próprias experiências, atualmente, as subcamadas ultrapassam em mais de duzentos níveis. Tanto para cima como para baixo, ultrapassando os "umbrais" e caindo além dos "abismos" nos fundos dos oceanos.


Voltando ao tópico sobre a projeção astral, as minhas pesquisas neste campo tornaram-se interessantes com as novas descobertas que eu mesmo vivenciei ao longo da minha caminhada. E, é disto que gostaria de comentar neste tema. As minhas experiências com as projeções das consciências. Andei pesquisando muito sobre este assunto e encontrei muitas respostas confusas e complicadas até para mim mesmo. O assunto difere um pouco sobre a projeção astral, mas a finalidade de ambas é sempre com o mesmo propósito. Aprender.


Tudo começou no ano de 2000 quando estava em Brasília trabalhando na empresa de um amigo meu. Numa visita de rotina a um cliente, fui abordado por um dos diretores que havia visto o meu nome registrado na recepção. Convidou-me para ir até a sala dele e perguntou se eu conhecia uma certa pessoa. Quando ele disse o nome do meu pai, fiquei surpreso, mas confirmei que era o filho dele. Então esse diretor começou a explicar que era kardecista e que numa reunião lá no centro ficou sabendo que o meu pai já era esperado no mundo espiritual há mais de dois anos.


O meu pai havia sofrido um AVC em Okinawa no ano de 1992, e desde então viveu apenas com a metade do corpo paralisado e nos últimos anos, entrava constantemente em estado de coma, levando uma vida vegetativa. Suas idas a uma UTI eram frequentes. Quando voltei para o Japão no início de 2001, a situação do meu pai me intrigava muito. A pergunta que sempre martelava a minha cabeça era: "o que prendia o meu pai naquele corpo inerte?".


E a resposta somente veio três anos depois quando recebi um telefonema do Brasil avisando que o meu pai estava na UTI e que a situação era gravíssima. Estava em casa quando a notícia chegou e fiquei sem ação. Queria estar lá, mas estava do outro lado do planeta. Com a ajuda de uma pessoa amiga, que naquela época vivia no Japão, aprendi uma nova forma de fazer a projeção astral.


O fato de estar nervoso, agitado, complicava tudo, porque não conseguia entrar num estado de relaxamento. Levantei-me do "tatame" e sentei-me numa poltrona. Uma voz interior simplesmente me disse: "Vai!". E eu respondi: "Como?!". A resposta foi curta: "Vá!". Então fui. No mesmo instante estava lá na UTI do hospital no fim da W3 Sul, em Brasília, ao lado da maca onde o meu pai tentava se levantar naquele instante, no plano astral. Havia dois padioleiros bem próximos e uma luz iluminando um portal naquele ambiente.


Da última vez que havia visitado o meu pai, ele estava péssimo, com o corpo físico totalmente inutilizado. Mas vê-lo agora ali, sorridente, bem disposto, era maravilhoso! Fiquei emocionado com a cena. Enquanto ele ficava de pé ia conversando comigo e passando suas mensagens para a família que estava deixando para trás. No final, acrescentou umas frases e disse que eu sabia do que ele estava falando. E quando os padioleiros estavam colocando o meu pai na maca, eu vi um clarão intenso e assisti o meu pai sendo puxado de forma violenta para o corpo físico. Aquilo foi demais para mim.


Foi um choque e tanto que acabou me trazendo de volta ao meu corpo físico no Japão. Ao me recobrar do susto, tremia muito e não sabia o por que. Naquele instante chamei a mulher com quem vivia na época e disse para ela que eu estava indo para o Brasil. No dia seguinte consegui a passagem e embarquei dois dias depois. Assim que cheguei a Brasília fui direto para o hospital e, aproveitando que a família estava toda reunida ali, avisei que a minha vinda estava relacionada ao propósito de libertar o meu pai daquele sofrimento inútil.



Paz
Shima

Postar um comentário

 
Top